domingo, agosto 10, 2014

Acima de qualquer coisa

Mais do que o normal, essa foi uma semana de reflexões. Foram dias de colocar Moby pra tocar no meu iPod enquanto corria na orla de Vancouver para o mar ver até onde eu consigo chegar. E tudo bem parar no meio do caminho para respirar, tirar o tênis, sentar no meio do nada e fechar os olhos para agradecer por tudo o que eu tenho. 

As saudades começam a aparecer. E por mais que a vida aqui seja incrivelmente perfeita, chega um instante em que ela não é suficiente se quem sempre foi importante não está fisicamente do meu lado.

É difícil viver num lugar onde ninguém conhece a sua história. É uma experiência incrível ter que começar tudo do zero porque, no final das contas, você percebe que longe de tudo e todos que você tem, você é nada. E é assim que se aprende o valor do que você é.

Passar meu aniversário longe daqueles que sempre estão presentes não foi fácil. Preciso de um monte de abraço, de beijo e de confusão. Infelizmente necessito de um dia do ano em que as atenções sejam só para mim - coisa de filho do meio e leonino com lua em Áries. Santos são os astros que desenham no céu tudo o que está para acontecer.

E foi lá que eu quis passar o meu dia, no lugar mais alto da cidade - onde as luzes dos prédios se confundem com as estrelas do céu. A lua estava cheia e iluminava a linha tênue do infinito entre o horizonte e o mar, que, agora de longe, admirava até onde eu consigo chegar. 

32 anos é o momento de voar!



Um comentário:

Anônimo disse...

Você é absurdamente incrível nos seus textos e na forma de expressar o que pode ser você ou a esquizofrenia de não ter sido ator, frustrado por não poder ter dado vida a vários personagens em uma única encarnação.
Em fim, seja o que for, seja muito, mas muito feliz pois a vida ainda vai sorrir para você ... Ass.: Seu fã.