sexta-feira, fevereiro 25, 2011

Todo dia veste uma roupa diferente para andar pelas mesmas calçadas a fim de chegar no mesmo lugar. Enquanto o tempo é sempre diferentemente o mesmo, as pessoas a sua volta estranhamente iguais, pensa em como mudar radicalmente para não ser sempre essa pessoa diferente.

E, através da janela do ônibus, traça o perfil das pessoas que olham para o nada enquanto deveriam olhar para dentro de si. Duvida que a mulher bem vestida também combinou a calcinha com o sutiã. Pensa sobre a noite mal dormida do executivo cheio de olheiras. O casal de namorados de mãos dadas que não trocam uma palavra. O publicitário que vai pra balada e depois trabalha de óculos escuros fingindo que faz parte do estilo.

São Paulo é uma cidade muito louca. Com pessoas loucas divididas em dois grupos: as loucas conscientes e as loucas que não fazem a mínima ideia do que estão fazendo nesse planeta.

Todos os dias, quando veste uma roupa diferente para andar pelas mesmas ruas a fim de chegar no mesmo lugar, ele se acha um louco por não fazer a mínima ideia do que está fazendo nesse sistema solar.

E aí, enquanto ele anda pelas mesmas calçadas, alguém o vê todos os dias através de uma janela de ônibus e pensa: onde andam os pensamentos desse cara? ele me parece tão normal.

terça-feira, fevereiro 22, 2011

eu sei que você lê as coisas que eu escrevo.
e que provavelmente lerá isso e saberá que é pra vc.
se você ainda se interessa pela minha vida, por que não sai da internet e me liga?
estou com vontade de dizer o quanto ainda te amo.