sábado, julho 03, 2010

"Bruno, td bem? vc não me conhece, meu nome é Fabio e moro no estado do Paraná.
O que me levou a escrever para vc é a seguinte situação:

_ Eu sou casado a sete anos e estou me separando por motivos de uma crise conjugal muito dificil, na qual eu acabei descobrindo o verdadeiro lado da moeda.
Sou um rapaz trabalhador, meu ramo é designer grafico, e nunca fui de badalar com os amigos, ir em bar e muito menos atrás de outras mulheres, ao contrario do que minha mulher sempre pensou e desconfiou de mim. Sempre tive que dar satisfação de tudo, onde estou, com quem estou e porque estou. Pois é amigo, um belo dia resolvi entrar no msn como um outro rapaz, pois em casa ela tem msn e fica o dia todo conversando com as primas delas, criei um perfil muito interessante e precisava de uma foto para colocar nele, e resolvi fazer uma busca no " GOOGLE" com a palavra chave " GAROTO" em imagens, se vc fazer isso ai, verá que sairá sua foto na pagina 1 ou 2, e nela estará escrito garoto problema logo abaixo...bem, como vc é um cara boa pinta resolvi pegar a sua foto.
Eu me passo com o nome de Marcos para minha esposa e ela esta apaixonada por ele, o problema é que chegou num ponto critico de sustentação e logo em um ponto no qual ela caiu na rede direitinho, só que ela quer ver mais fotos do MARCOS que no caso seria vc Bruno.
Resumindo, precisaria ver se vc poderia me mandar umas 2 fotos suas para eu poder mandar para ela, pois ela não para de insistir em querer ver mais uma foto do MARCOS.
Se puder me ajudar Bruno agradeceria, pois o tal do MARCOS esta mostrando quem realmente é a esposa qe eu tenho dentro de casa.

Obrigado e agradeço por vc ter me respondido o mail.

Abraço

Fabio - Paraná
obs: estarei no msn."

acho que vou tirar uma foto do meu cú e mandar pra ele.
25/07/2006 19:20:38
Por conta do achatamento da classe média, eu e meu irmão dividimos o mesmo quarto. Ontem, num daqueles momentos "vamos falar do nosso dia antes de dormir", eu contei pra ele que um cliente me perguntou se eu era brasileiro. Perguntei o porquê ao cliente e ele me respondeu que eu tinha um sotaque diferente (todo mundo fala isso!) e que pensava que eu era francês (??). Aí o meu irmão completa:
- ISSO TAMBÉM ACONTECEU COMIGO!! - empolgado.
e continuou:
- Esses dias um taxista também me perguntou se eu era estrangeiro porque tinha um sotaque estranho.
- e o que vc respondeu?! - perguntei.
- Que não, que eu tava BÊEEEELBADO, claro.
- Ah tá bom Alex vai dormir vai.. hahahaha
Tem coisas que voltam sem terem ido
e outras que vão e pra sempre ficam.

A saudade é uma coisa que vai e volta. Como esse meu amor por vc.

As coisas só nos fazem mal quando permitimos que isso aconteça.

Até quando vou permitir que vc ainda faça parte da minha vida?

domingo, junho 27, 2010

Dentre as coisas que eu não consigo suportar está a injustiça. Trabalho num bairro "nobre" de São Paulo (que expressão ridícula), onde sobra dinheiro e falta educação.

Essa semana, como de costume, durante a tarde fui até um supermercado que tem perto da agência para comprar umas coisas para comer (lê-se: porcarias). Escolhi uma barra de chocolate, um Danete, uma AnaMaria sabor baunilha e um desodorante spray.

Tenho mania de não pegar carrinho no supermercado e fiquei lá equilibrando tudo na mão. Na fila, à minha frente, estava uma mulher um pouco acima do peso, com uma calça de moleton com o elástico da cintura bem frouxo e com meio rêgo aparecendo. Até aí ok, cada um tem o seu estilo, mas, sinceramente, o conceito não era o dos melhores.

Tudo começou quando a mulher do caixa perguntou à cliente com cara de maluca: "Cartão mais?" e a louca, fora do peso, do elástico frouxo e rêgo aparecendo começou a dar um show de patadas na atendente: "Cartão mais? Não tenho essa merda e nem quero. Quero que vc passe rápido essas compras, vai! vai! vai!" E a caixa foi passando as compras da senhora da calça de moleton com um desespero sem igual.

E continuou xingando muito: "Peguei uma carne que tá pigando sangue, chame alguém AGORA pra limpar a sujeira que eu fiz, vai! vai!" e mais: "olha esses sacos plástico, rasgam com uma facilidade única..." e começou a rasgar com sacos plásticos. As pessoas na fila estavam todas de braços cruzados balançando a cabeça em sinal de desaprovação. Enfim, na hora de pagar ela terminou com a frase: "Pagar é o de menos, pagar, tsc tsc tsc..." e foi empacotando as compras depois de pagar com um American Express que nem Platinum era.

Na minha vez, a caixa me deu um sorriso, passou minhas compras, colocou o meu cpf na nota. Uma agilidade só. Em seguida ela disse ainda sorrindo: "Obrigado, volte sempre e tenha um bom dia!".

Foi então que, ainda com a louca do rêgo de fora empacotando e reclamando até do ar que tava respirando, falei para atendente: "Obrigado por ter sido super eficiente ao me atender. Espero que quem tenha um bom dia seja você, porque, para atender cliente sem noção de respeito, você vai precisar muito mais do que eu." - acho que me lembrei da época que eu trabalhava no banco e tinha que lidar com um monte de gente escrota.

É óbvio que a louca ouviu o que eu falei. Quando passei por ela, ouvi que ela falou alguma coisa no meu ouvido. Eu tinha escutado o que ela disse, mas mesmo assim gritei pra todo mundo que queria ouvir: "O QUE QUE VOCÊ FALOU?"

E aí, todo mundo do supermercado ficou paralisado assistindo o que estava rolando. As caixas que estavam passando o cartão pararam com o cartão na máquina, a velha que estava selecionando qual cebola ia pegar, ficou com a mão numa cebola e a criança que estava mexendo num doce, colocou ele na boca. Só um cara que continuou comendo as amostras grátis que uma promotora estava oferecendo.

Foi quando a doida varrida respondeu"com tom irônico e ar de cinismo: "EU TE CHAMEI DE LINDINHO, MEU AMOR..."

Eu podia dar um tapa na cara daquela maluca, mas preferi apenas falar: "É uma pena não poder te dizer o mesmo, a não ser claro, que você tivesse um mínimo de educação."

Abri meu chocolate, dei uma mordida nele enquanto media a mulher dos pés à cabeça e voltei em direção ao meu trabalho, tremendo de raiva. E a raiva que eu sentia não era nem por mim, mas por uma pessoa que estava apenas fazendo o seu trabalho e não precisava ouvir um monte de desaforo de gente mal educada.

Quando que as pessoas vão aprender que tudo que a gente dá, um dia a gente recebe? É tão óbvio isso!

Que hoje, vocês que acompanham meu blog, tenham um bom dia para que possamos ser tolerante com gente ignorante.


Bom dia pra vocês! =)