quarta-feira, março 10, 2010

Me olho no espelho e ainda tenho tanto de você em mim. Como eu posso avisar meu coração que você partiu pro mundo? Meu coração não entende, já tentei explicar nas noites de insônia quando meus pensamentos são só você.
Depois que te conheci, muita coisa mudou aqui dentro. E entendi que não quero ser outra pessoa senão eu mesmo, com uma cabeça que apenas eu entendo, e um coração que talvez não caiba meus medos, minhas dúvidas e meus pensamentos.
Pelos últimos 8 meses o seu silêncio ocupou no meu coração um espaço que eu tinha reservado para nós dois. E o que te digo é que por todos esses dias desses meses meu coração chegou a explodir enchendo meus olhos de lágrimas que pensei que nunca secariam.
Foi uma besteira acreditar que você poderia mudar. O tempo não muda ninguém. A situação e o destino mudam as pessoas. A decepção, talvez. Experiência própria. As mudanças, quando acontecem, são mudanças já acontecidas, e que apenas aguardavam o soar do alarme para serem acionadas. Esse alarme chamado sobrevivência, que mandou você endurecer seu coração.
Ninguém sabe até onde vai a sua resistência. Mas eu não resisto mais. E é por isso que eu digo pra você que eu desisto. Desisto de tentar ser feliz com você.
Não existe certo e errado nessa história. Existe uma enorme covardia de tentar, sabendo que poderá sofrer. E qual a graça da vida se tudo fosse só felicidade?
Descobri que a felicidade é desse jeito mesmo: escorre rápido. Ela te lava, te molha e te afoga nas lembranças dum passado que não volta mais.
Todas essas já são informações desnecessárias. Palavras bobas. Sempre gastas à toa.
Prometo pra você que, se algum dia, numa dessas voltas que a vida dá, você deixar de me amar, mesmo assim continuarei te amando. Não sou daqueles que esquece de quem contribuiu para eu ser quem sou.

Porém, a partir de hoje não se fala mais de você aqui.
Oi, tudo bom? Infelizmente, esta carta não é de quem você esperava. Mas, como eu sei direitinho como você se sente, talvez traga boas notícias.
Olha, desculpa minha sinceridade, mas a vida é muito curta para ficar aguardando pelos outros. Se quem você aguarda realmente se importasse com você, já teria dado algum sinal de vida. Parta para outra.
Já reparou numa certa pessoa que você conhece e tem uma quedinha por você? Não posso dizer quem é, mas pode ser alguém que trabalha do seu lado ou que mora perto da sua casa ou que frequenta um mesmo lugar. Sei que se trata de uma pessoa bem legal, vale a pena procurar saber quem é.
Fique de olho, tem um monte de gente reparando em suas qualidades. Aposto que, se você olhar em volta, neste instante, tem alguém olhando disfarçadamente para você. Pode não ser o seu tipo, mas já é uma dose de auto-estima, substância da qual você carece.
A verdade é que, enquanto você estiver assim, nessa interminável agonia, esperando notícias que nunca chegam, vai deixar passar várias possibilidades interessantes ao seu redor. Claro, ninguém se compara a quem você aguarda, mas quem você aguarda não está disponível no momento. Poderá, inclusive, nunca estar, apesar de tudo o que foi dito naquele dia. Pessoas que somem não são confiáveis.
E, mesmo que você tenha certeza absoluta de que não se trata de desprezo, que deve ter acontecido alguma coisa, que esse sumiço tem alguma explicação, não adianta nada você ficar aí esperando. Corroer-se de ansiedade não vai apressar a resolução do problema, seja ele qual for. Então, desencana.
Dá uma esquecida desse assunto, tenta focar as energias naquilo que depende da sua vontade. Caso seja necessário, para tirar de vez essa história da cabeça, mande você uma carta esculhambando e colocando um ponto final na questão.
O fato é que não dá para você continuar assim, desse jeito. Está todo mundo comentando.
Ninguém tem coragem de dizer isso para você, mas todos concordam comigo. Já chega.
Além do mais, se for para ser, será. Um dia, quando você menos espera, pinta um reencontro, sei lá. Mas até esse possível reencontro fica mais difícil se você não se abrir de novo para o lado inesperado da vida.
E, cá entre nós, se a pessoa que você aguarda é quem eu estou pensando, também não é nenhuma belezura assim. Você arruma coisa melhor.
Mande notícias, ficarei aguardando.
Eu ainda acredito na sorte de encontrar um grande amor na padaria, num domingo à noite.

domingo, março 07, 2010

Hoje fui num casamento de uma pessoa muito especial.
Quando participo de eventos como esse, alimento uma esperança de que o amor realmente existe e que a felicidade dos meus amigos me contagia.

Chorei bastante hoje,
chorei de felicidade.

Parabéns Lari!