sábado, janeiro 16, 2010

Uma vida sem aventuras é como uma comédia sem uma gargalhada: não faz sentido.

E essa semana, durante uma das minhas longas viagens do Morumbi, onde trabalho, até o Alto de Santana, onde resido, vi a morte de perto.

Saí tarde da agência, peguei a van do prédio e fui até o Shopping, como de costume. Lá, num ato totalmente impensado (que até agora eu não entendi porque eu fiz isso) peguei um microônibus que continha uma placa escrita: "Metrô Conceição".

Tenho essa mania imbecil. Quando estou sem carro, pego qualquer ônibus que vá até o metrô e teoricamente já finjo que sei onde estou. Na real, eu mal sei onde fica o metrô Conceição.

Enfim, uma sensação de alegria e alívio tomou conta do meu corpo ao perceber que o microônibus estava vazio. Isso durou cerca de 3 minutos e meio, pois no próximo ponto, uma obesa mórbida em cima das suas toneladas decidiu sentar-se ao meu lado ao invés de escolher qualquer um dos 37 lugares vagos. Tudo bem, calor humano.

Como se não fosse suficiente, o motorista acreditou que estavano Paris Dakar e começou a andar com aquela porra a 100km/h. Problema? Nenhum se as ruas de São Paulo estivessesem buracos, não tivessem faróis e nem tão pouco cruzamentos.

Segurei no puta que pariu do ônibus com uma mão e no meu escapulário com a outra. Virei religioso do nada, tava quase falando aramaico. Não sei o que mais me preocupava, a velocidade do ônibus ou a montanha de banha que estava do meu lado dormindo com a cabeça no meu ombro.

Cada vez que o ônibus passava por um buraco, a gorda-mórbida-devoradora-de-chocolates me esmagava mais e mais. Meu cérebro estava quase saindo pelo meu nariz e por pouco não pedi pra sentar em cima dela, que parecia ter um colo super confortable.

Eu só pensava: "quando isso acabar eu sei que vou dar muita risada, sei que vou..."

Nem preciso dizer que a mulher ficou do meu lado até o ponto final.

Nem preciso dizer que é óbvio que eu mandei um email pra sptrans reclamando do motorista do ônibus que quase matou todo mundo. Aquele assassino.

Nem preciso dizer que quando entrei no metrô me senti aliviado porque estava vazio. E é óbvio que uma gorda-maldita-com-mil-saoolas-na-mão sentou do meu lado e dormiu como um anjinho no meu ombro.

Acho que vou começar a pedir carona na rua.

9 comentários:

graziela disse...

Quando estou com frio, fico torcendo para que sente ao meu lado no ônibus. Se for um gordo mórbido, então...

Eugênio Euclides disse...

imagino as expressões no seu rosto, contando isso empolgado, exagerando nos detalhes, talvez mexendo as mãos. sendo glasnost enquanto essa vida lá fora tão suja...

força sempre!

Leandro Guima disse...

viva as gordas!

lila disse...

AIHOAIHOAIHOaihOhaiOhaiOAIHO meu pelo menos pensa que se o cara batesse o mini onibus a gorda morbida ia servir de air bag pra vc! tchans!

Karol Borges disse...

Bruno adorei o Blog e dei muita risada da sua historia, pois nos meus 3 anos d vida em SP, passei por algumas peripécias como essa. Já que meu trajero era Moema - Barra Funda ... se torna engraçado depois que a gente resolve contar fica tudo mais engraçado. O pior que uma gorda é sempre os malandrinhos tarados fedendo a cachaça.

Elisa disse...

meu me vi mto nessa situacao!!!!! hahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahah

Anônimo disse...

Triste é achar um blog legal e se deparar com um preconceito e sarcasmo contra uma pessoa que tem transtorno alimentares e problemas psicologicos ou seja uma GORDA OBESA!
Com certeza é mais facíl achar que o problema de ser UMA GORDA MORBIDA é se entupir de chocolates, mas não é!
Infelizmente nós GORDOS MORBIDOS buscamos na comida consolo por sermos tratados assim tão ridicularmente por pessoas que achamos ser inteligentes!
Inteligência nada é quando agregada com ignorância, intolerância e falta de respeito ao proxímo!
Mas com certeza, você deve me mandar comer uma tonelada de chocolate ao invés de entender que pessoas inteligentes como você é que fazem nossos dias serem tão tristes e nublados!

Patricia disse...

ai, lembrei das nossas voltas na lotação, vindo de CUmbica!!!! E os 200 reais??? kkkkkkkk
CENTRO CECAP AVENIDA "GUARULHO" SHOP!!! KKKKKKKKKK
E A GENTE RIA, NÉ???

Beto Ribeiro disse...

Adorei. O texto é ótimo. Muito bem escrito e muito engraçado. Ácido do jeito que tem que ser. Independente das gordas chorarem, a história é divertida. E ponto. Cada um que engula sua própria minoria e ria de si mesmo.