domingo, dezembro 12, 2010

Enquanto trabalho o telefone toca. Demoro a atender pois ainda não me acostumei com o toque do meu celular novo. Não reconheço a voz do outro lado pois ainda estranho as vezes que você me liga.
Penso no sentido da vida enquanto você inventa histórias para finalmente me chamar para almoçar. Minha maior vontade era aceitar e deixar você esperando lá no restaurante, eternamente, assim como você me faz esperar por uma atitude sua. Mas prefiro evitar motivos para que você nunca mais me convide para almoçar e decido então aceitar.
E aí, quando te encontro, não consigo definir o meu sentimento por você. Vejo teus olhos encherem de lágrimas enquanto fala comigo forçando algo que ainda não entendi e nem sei mais se me importa entender. Isso já não me comove mais. Talvez os últimos tempos tenham me feito perder a sensibilidade ou eu mesmo a escondi para usar em momentos que julgo especiais. E, pelo que vejo, esses momentos não incluem mais você.
Hoje, percebo que o que tenho por ti não é mágoa, não é amor, não é tristeza. Hoje, percebo que o que eu tenho por você é nada.
E assim começa o meu ano novo...

quinta-feira, novembro 18, 2010

A vida nada mais é que um lugar de encontros e desencontros, onde os destinos se cruzam para que a gente viva as experiências que eles podem nos proporcionar. Nem todas as coisas estão sob o nosso controle e talvez seja essa a graça de viver.
Quando pensamos saber sobre todos os nossos sentimentos, vem a vida e nos vira de ponta cabeça para nos provar que novas formas de sentir sempre virão.
O estranho e contraditório é que, por mais intenso que um sentimento seja, ele muitas vezes não anulará um outro. Um dia feliz não apaga uma tristeza do dia anterior, um abraço forte não cura uma saudade, cócegas não nos secam lágrimas.
Mas, nessa última semana bem difícil, eu tirei uma certeza: o amor é o único sentimento que muda tudo. É o único sentimento que enlouquece os sãos, que cega os visionários, que impulsiona os covardes, que dá fé aos que desacreditam.
A tristeza passa, a felicidade acaba. O amor não. O amor é algo pra sempre.
Se não foi pra sempre, não era amor.

domingo, novembro 07, 2010

Depois de trabalhar a manhã inteira num sono e sábado sem fim, fui até a casa da Lucia para me trocar e ir pro UMF (www.umfbrasil.com). Chegando lá, percebi que estava um calor insuportável e, num dos meus momentos de compras compulsivas, fui numa loja na rua da Lucia pra comprar uma bermuda e saí de lá com um boné novo.

A festa foi demais. Encontrei muitos amigos queridos. Tocaram muitas das músicas que eu adoro. Na verdade, contei tudo isso somente para falar do final da festa.

A Marione, amiga minha há mais de 20 longos anos, estava toda chic no festival. Chapeuzinho, um monte de pulseiras e um casaco cheio todo descolado. No ápice do show ela deixou o casaco cair no chão e só foi perceber quando já tinha pisado no casaco inteiro. O chão estava uma lama só, logo, seu casaco bege ficou totalmente tie dye, todo sujo de marrom. Enfim, a vida continua.

Na hora de ir embora, já estava frio, e a Marione resolveu colocar o casaco. Estava parecendo uma mendiga, com cachecol rosa, a jaqueta toda suja e o chapeuzinho. O taxi nos deixou no saguão do Hotel Hilton onde tínhamos estacionado o carro. O problema é que estava rolano no Hilton uma daquelas festas exclusivas da high society paulistana. As mulheres cheias de plumas, os caras de black tie (todo mundo de preto) e a Marione ali no meio toda suja de barro, achando graça da situação. No detalhe que ela é daquelas que só consegue dar risadas desesperadas em altos decibéis.

Entramos no elevador que é todo transparente. Quando o elevador foi descer, eu, a Lucia, meu irmão e a mendiga Marione colocamos as mãos para o alto e, virados para o vidro do elevador, gritamos como se o elevador fosse cair. Nisso tinha um cara parado numa bicicleta encostado bem no vidro vendo a gente descer. Ele não entendeu nada.

Chegamos numa lanchonete e todo mundo ficou olhando pra nossa cara. A Marione estava insuportável dizendo que tava desmaiando de fome. Tanto foi que, ela olhou pra mesa do lado, viu um garçon atendendo umas 3 meninas, interrompeu os pedidos delas e disse: Oi garçon, já posso pedir o meu?

COMO ASSIM? JÁ POSSO PEDIR O MEU? Ela simplesmente interrompeu o pedido das meninas, como se estivesse furando uma fila.

E aí, o garçon mediu a Marione e respondeu:
- Não, não pode pedir o seu ainda.
- É QUE EU TO MORRENDO DE FOME!
E o garçon olhando ela toda suja, parecendo uma menina de rua, respondeu:
- Dá pra imaginar o quanto!

Depois de uns 40 minutos e após a Marione ir lá no caixa tentar fazer o pedido antes que o garçon voltasse, os lanches chegaram. Comemos e tudo mais. Pronto a Marione já estava saciada.

Pagamos a conta. Quando estávamos indo embora, entrou um grupo de pessoas, que provavelmente estavam na mesma festa que a gente pois estavam TODAS sujas de lama, tipo se sujar faz bem. A galera olhou pra cara da Marione e falou:
- E AI PARCEIRA!!!!!!!

A Marione deu aquela gargalhada gostosa e fomos embora.

Conclusão do dia: por mais sujo que vc seja, sempre tem alguém que consegue ser ainda pior que você!

sábado, outubro 23, 2010

E aí, um dia, vc descobre que a vida não é só isso. Que não pode ser só isso. Seria sem graça. Seria injusto.
E descobre que pra enxergar além, basta fechar os olhos. Que pra sonhar, basta acordar. Que se fala com os olhos, que se olha com o coração. Que é tudo ao contrário, que é tudo tão óbvio.
Descobre que o mais legal não é fugir da chuva, mas deixar se molhar e sentir cada gota escorrendo pelo corpo, porque o sentir é o que nos faz vivos.
E descobre que os dias nublados também são convidativos, pra ficar na cama, quietinho, pensando no que fazer quando o sol finalmente resolver aparecer.

Durante meses meus dias foram nublados, muitas vezes chuvosos.
Mas hoje o sol apareceu.
E aí, eu percebo: é... a vida é isso aqui também.
E eu amo poder viver.
Cadê meus óculos de sol?

sexta-feira, outubro 15, 2010

Da próxima vez que você tiver dúvidas sobre o meu amor por você, lembre-se que foi você que o cativou quando me deu seu telefone num papel que tenho guardado até hoje. Lembre-se de quantos filmes assistimos juntos, abraçados, rindo e chorando sem culpa de sermos julgados. Lembre-se daquela vez que, quando você chegou na sua casa, eu saí correndo gritando seu nome pra te dar um abraço e você tomou um dos maiores e mais engraçados sustos que eu já vi na minha vida. Lembre-se das vezes que comíamos no nosso restaurante preferido à luz de velas e das risadas que dávamos quando olhávamos aqueles casais tediosos ao nosso redor que não trocavam uma palavra, enquanto a gente não parava de falar um minuto se quer. Lembre-se daquela vez que eu te deixei perto da sua casa, pois você preferia continuar o caminho a pé. Lembre-se de quando eu cantei, numa perfomance solo, aquela música do Van Halen - I Can't Stop Loving U - com direito aos seus aplausos e lágrimas. Lembre-se do Go History. Dos nossos domingos assistindo Silvio Santos enchendo o cú de sorvete com muita calda de caramelo. Lembre-se das nossas corridas no Parque Vila Lobos, do nosso abraço ao entrar no Skol Sensation (educação é tudo nessa vida hahaha), dos nossos abraços, dos nossos beijos, até das nossas intermináveis brigas, onde nosso objetivo era único: tentar provar pro outro quem amava mais quem.

Hoje tenho certeza de que eu amo muito mais você. Pois se você não está mais na minha vida, é porque, definitivamente, você não me ama mais.

Você se lembra do nascer do sol naquele quarto de hotel no 13o andar?

terça-feira, outubro 05, 2010

Custo a dormir todas as noites pois me perco em meus pensamentos procurando de novo por você. Apesar de ocupar grande parte do meu coração, não sei mais onde você possa estar.
Será que ainda pensa em mim? Uma vez por dia talvez? Troca de rádio quando começa uma das nossas músicas ou sorri e pensa que tem alguém que ainda te espera? Deixa um monte de sujeira no carro? Ainda passa a mão na barriga quando está com vergonha? Continua fazendo barulhinhos quando te acordam depois de uma noite longa de sono? Que saudades das suas manias!
Para matar essas saudades, leio tuas cartas todos os dias na certeza que aquelas palavras ainda significam verdades eternas.
De olhos cansados e inchados, finalmente me rendo e durmo.
E aí, me limito a andar pelas ruas chamando seu nome a espera que você me ouça, apareça e fale com um sorriso no rosto: Finalmente reencontrei você!
Custo a acordar todos os dias.

quarta-feira, setembro 29, 2010

As pessoas são tão necessariamente loucas que não fazer parte desse manicômio coletivo seria uma outra forma de loucura. As nossas camisas de força estão costuradas uma nas outras. Somos todos loucos porque insistimos em procurar uma pessoa que não existe mais, um mesmo amor num outro lugar, a sorte onde só existe azar, a alegria em momentos de tristeza, em chorar de felicidade. Nossa vida é feita de tantas contradições. Temos acessos de lucidez, numa loucura assumida e disfarçada.
E se ser normal é ficar preso a padrões não estipulados por nós mesmos, digo que ser louco é atingir o àpice da liberdade.
Obrigado por me fazer livre.

domingo, setembro 26, 2010

E aí eu acordo, tomo banho, me troco, escovo os dentes, vou com a minha mãe até o meio do caminho, pulo do carro, entro no ônibus, passo na padaria, tomo café, trabalho, trabalho e trabalho. Almoço. trabalho, trabalho, trabalho, reunião de pauta, reunião extraordinária, trabalho, trabalho e trabalho. Academia, aula de yoga, aula de boxe, aula de bike, aula de tênis, na esteira: corro, corro, corro. Banho, ônibus, elevador, casa, quarto e cama. Dormir pra acordar.

tudo isso, pensando em você!

domingo, setembro 19, 2010

Quando vc me escreve, as letras têm outras formas e as palavras, outros sentidos.

Quando te escrevo, saiba que escolho minusciosamente cada palavra. Mas ainda sim tem sido difícil alinhá-las com o que sinto aqui dentro por você.

Tinha um monte de novidade pra te falar, um monte de coisa que eu queria que você soubesse. Mas acho que esse não é o momento.

Na verdade, já estou descrente que esse momento um dia vá chegar.

Boa viagem!

quarta-feira, setembro 15, 2010

Desistir faz com que a vida perca um pouco do sentido, se é que ela tem algum.
Por isso, prefiro esquecer.
Sendo assim, abro espaço para que novas lembranças ocupem o lugar das velhas que não fazem mais sentido. Se é que um dia fizeram sentido algum.

terça-feira, setembro 14, 2010

Hoje meu telefone tocou.
Pensei que era você.

Como sou bobo, né?
Pq vc me ligaria?

segunda-feira, setembro 13, 2010

Devia ser sábado, uma meia-noite, depois de comermos tudo o que tínhamos direito.
Sorri pra você e te abracei.
- nunca sei qual o meu lado na sua cama.
- o seu lugar é ao meu lado, dentro ou fora da nossa cama.
cadê você?

preciso te devolver os beijos que você me deu há algumas semanas.

quinta-feira, setembro 09, 2010

vamos combinar?

você desaparece e eu não te desejo mais.

que tal?
Quando estou triste e temo ficar em casa jogado às lembranças que parecem me esperar por lá, saio andando por aí.
Corro para as livrarias. Elas são minhas igrejas, onde encontro muitas outras pessoas com os mesmos objetivos que eu.
E entre a seção de livros de viagem, admiro os olhos brilhantes de quem está prestes a partir e deixar saudades.
Assisto crianças debruçadas em livros coloridos, lendo cada letra até completarem palavras para assim formarem frases que terão outros significados quando entenderem que finais felizes, definitivamente, não existem.
Nunca vi ninguém morrer feliz.
Tenho dó das pessoas que dedicam seu tempo lendo os livros de auto ajuda. Não as chamo de leitoras, as chamo de desesperadas.
E desesperado estou eu aqui entre essas biografias erradas tentando descobrir com quem eu me pareço, o que eu devo fazer e pra onde tenho que ir.
Talvez o ideal seja eu comprar um livro de caça-palavras.
Palavra não é como força, que quando não se tem, se tira sabe-se lá de onde.

terça-feira, setembro 07, 2010

A minha maior vontade é a de ir embora.
Pra bem longe e quem sabe nunca mais voltar.
Será que assim você conseguiria sentir um pouco da falta que você me faz?
Porque, você sabe, o maior objetivo de uma despedida é o de causar saudade.
Um dia te mandarei um postal de um lugar bem improvável,
Só pra dizer, que ainda ali, no fim do mundo,
ainda penso em você.
Para alguns chorar é chamar atenção.
Pra mim, chorar é ser egoísta.
É uma forma de gritar ao mundo que a dor que eu sinto aqui dentro é só minha.
Única e exclusivamente minha.
Assim como um dia você também foi.

segunda-feira, setembro 06, 2010

Não quero mais ter que fechar meus olhos para poder te ver.
Se amar é só
sofrer,
prefiro viver
vagando
sozinho.

Agora,
se amar
também é sofrer,
estou com meus braços
abertos
esperando vc.

domingo, setembro 05, 2010

Estar distante é uma forma de se preservar.
De permanecer sem estar.
De ficar sem partir.
De sorrir sem mentir.
Para mim, recomeçar é fazer tudo de novo.
Parece óbvio.
Mas recomeçar me dá aquela impressão de que o que está sendo feito de novo está sendo feito da mesma forma.
Qual a graça de se repetir algo que não deu certo?

Hoje não foi um dia de recomeçar.
Foi um dia para começar tudo de novo.
Mas dessa vez,
de uma forma BEM diferente.

quinta-feira, agosto 12, 2010

Esse foi o texto que eu escrevi para a colação de grau que rolou hoje, no Mackenzie. Eu queria muito ter sido orador, mas na votação acabei ficando em segundo lugar. Sendo assim, para mim ficou como tarefa fazer a homenagem aos pais.

"Queridos pais,

Infelizmente (ou felizmente), nesse momento não nos formamos os médicos nem os engenheiros como um dia vocês planejaram. Talvez uma boa parte de vocês se pergunte: Se vocês não são capazes de salvar vidas, como os médicos, nem de construir pontes, como os engenheiros, para que serviriam então, como publicitários, se todas as pessoas do mundo sumissem?

Respondo a essa pergunta, em nome dos meus amigos e com muito orgulho, dizendo que, usando da nossa inspiração de quase artistas, com certeza teríamos uma idéia genial. Seria algo como pegar os estetoscópios dos médicos para construir pontes engenhosas e assim novamente unir as pessoas.

Com isso, estão unidos aqui as patricinhas e mauricinhos do atendimento, os rockeiros e tatuados da criação e os compulsivos por internet e excel de mídia e de marketing para mostrar que ser publicitário também é isso: saber que as diferenças existem e saber conviver e aprender com todas elas. Muitas vezes, é saber aproveitar justamente todas essas diferenças pra ter mais uma grande idéia. Uma grande idéia que pode até mudar o mundo!

Hoje, somos todos diferentes. Mas temos pais que só de endereço mudam.
Obrigado mãe, por dizer que o meu desenho feito com o giz pastel era uma obra-prima. No dia da entrega desse desenho, depois de horas perdidas de sono, a professora me fez jogá-lo no lixo e começar tudo de novo.

Porém, assim como digo que quem não recebe críticas acha que é perfeito, digo também que quem não recebe incentivo não sai do lugar. Nunca se esqueçam que às vezes um passo pra trás nos dá o impulso necessário para irmos cada vez mais longe. Obrigado mais uma vez mães, por sempre nos incentivarem.

Obrigado pai, pelo dinheiro para poder comer. Vou confessar que, muitas vezes, o usei para ir ao bar. Era lá que o meu professor de marketing disse que eu tinha que estar para ”fazer networking”.

Foi assim que conquistei amigos que sei que nunca me deixarão na mão, seja ajudando num trabalho de finanças ou dividindo as finanças deles comigo. Obrigado pais, por sempre nos ensinarem a dar valor e a dividir.

Vocês foram os nossos maiores professores em planejar, apresentar e a vender. Acham que foi fácil planejar uma história pro vaso que quebramos jogando bola na sala? Acham que foi fácil apresentar para todos, mais uma vez, uma nova namorada? Acham que foi fácil vender a idéia de que a festa de sábado era uma coisa única e especial?

Não, não foi nada fácil. Mas obrigado por nos ensinarem que ser sincero é sempre a melhor solução, que novas paixões sempre vão surgir e que coisas únicas e especiais sempre vão acontecer.

Pais, hoje conseguimos entender muitas das suas preocupações. Pois agora, como publicitários, aprendemos a nos colocar no lugar do outro para assim entendê-lo e exercer a nossa profissão. Talvez, todo mundo precisasse ser um pouquinho publicitário para entender um pouco o próximo e fazer desse mundo um lugar melhor.

E, por fim, nunca se esqueçam: os sonhos só se tornam realidade quando sonhados juntos. Obrigado pais, por sonharem junto com a gente!"

Espero que tenham ficado expostas a sinceridade e a honra que foi poder fazer parte disso.

segunda-feira, agosto 02, 2010

Justificar os meus erros não é o primeiro passo para resolvê-los.

Saber me perdoar e prometer para mim mesmo que nesse erro não caio mais, sim.

Agora já posso dar o próximo passo.

Alguém me acompanha?

domingo, agosto 01, 2010

Na possibilidade única de tirar um pouco do bronzeado paulistano que só os aparelhos de ar condicionado conseguem me dar, decidi aceitar o convite das irmãs Carvalho Leite para descer pro Guarujá na casa do Dani, namorado da Roberta.

Com a desculpa de irmos ao supermercado para comer e "aproveitar para comprar alguma coisinha pra beber", fomos até o Carrefour da praia da Enseada (se não me engano). Depois de escolhermos tudo o que íamos beber, decidimos, Elisa e eu, ficarmos na fila dos frios pra pedir um pouco de salame para comer no café da manhã.

Até aí, tudo bem.

Estava entretendo a Elisa com uma das minhas histórias repetidas, quando a mulher dos frios perguntou quanto de salame íamos querer.

- 300g! - respondi.

Meia hora depois, a Roberta volta e pergunta pra mulher:
- Quanto que vc já cortou de salame?

E a mulher respondeu:
- 600g, mas já tô acabando.

- Bom, então tira um pouco pq a gente não vai querer tudo isso, pode ser?

Não sei quanto que a mulher entendeu que a gente queria. Mas o fato é que não tínhamos percebido que ela tinha um aparelho no ouvido e, por conta disso, começou a cortar salame como se não houvesse amanhã.

Ela já estava com HIPERTROFIA no bíceps de tanto salame que ela estava cortando e a fila já tinha metade da população da China. Pegamos nosso castelo de salame e fomos embora.

Durante todo o caminho pensamos numa possibilidade para todo aquele salame. Acho que eu nunca vi tanto salame na minha vida! Com a doutrina de vida de que Deus sempre sabe o que faz, fomos embora pagando quase 20 reais de salame pra 5 pessoas que iriam passar apenas 1 dia no Guarujá.

Na hora de jantar, decidimos pedir pizza: muzzarella para os indecisos e meia frango, meia bahiana.

Adivinhem do que era a minha pizza?

PEPPERONI!

E comi como se não houvesse amanhã.


E o sol? E o bronze?

O sol decidiu que não tinha que aparecer para podermos ficar em casa comendo todo o salame da América Latina, porque, afinal, Deus sempre sabe o que faz.

domingo, julho 04, 2010

Ser idiota é colocar o despertador pra tocar meia hora mais cedo e, ao acordar, achar que tem mais 30 minutos pra dormir. Ser idiota é acabar acordando atrasado porque esses 30 minutos viraram duas horas.

Ser idiota é pedir licença às pessoas que fingem não ler que, na escada rolante, existe um aviso que diz: mantenha-se à direita. Ser idiota ainda é fingir que não ouviu quando alguém fala: "Não sei pq não vai pela escada normal".

Ser idiota é levantar do seu banco do metrô e cedê-lo à idosa que está cagando se vc está indo trabalhar sem ter conseguido dormir a noite toda, enquanto existe um esperto sentado no banco que era dedicado à ela.

Ser idiota é dar bom dia pro tiozinho mal humorado da padaria e deixar pra lá que ele não tem troco pra te dar.

Ser idiota é fingir que não é brasileiro pra não ter que responder pesquisas de mercado na Av. Paulista.

Ser idiota é ir pra academia e fazer 3 séries de 8 quando se deveria fazer 3 de 10.

Ser idiota é deixar que o coração fale mais alto que a própria razão e ficar esperando uma ligação que nunca vem.

Ser idiota é rezar todos os dias antes de dormir agradecendo o dia idiota que se teve.

A idiotice é vital para a felicidade. Quando não se é um, finja pelo menos. As pessoas nunca notarão a diferença, elas são todas umas idiotas mesmo.

sábado, julho 03, 2010

"Bruno, td bem? vc não me conhece, meu nome é Fabio e moro no estado do Paraná.
O que me levou a escrever para vc é a seguinte situação:

_ Eu sou casado a sete anos e estou me separando por motivos de uma crise conjugal muito dificil, na qual eu acabei descobrindo o verdadeiro lado da moeda.
Sou um rapaz trabalhador, meu ramo é designer grafico, e nunca fui de badalar com os amigos, ir em bar e muito menos atrás de outras mulheres, ao contrario do que minha mulher sempre pensou e desconfiou de mim. Sempre tive que dar satisfação de tudo, onde estou, com quem estou e porque estou. Pois é amigo, um belo dia resolvi entrar no msn como um outro rapaz, pois em casa ela tem msn e fica o dia todo conversando com as primas delas, criei um perfil muito interessante e precisava de uma foto para colocar nele, e resolvi fazer uma busca no " GOOGLE" com a palavra chave " GAROTO" em imagens, se vc fazer isso ai, verá que sairá sua foto na pagina 1 ou 2, e nela estará escrito garoto problema logo abaixo...bem, como vc é um cara boa pinta resolvi pegar a sua foto.
Eu me passo com o nome de Marcos para minha esposa e ela esta apaixonada por ele, o problema é que chegou num ponto critico de sustentação e logo em um ponto no qual ela caiu na rede direitinho, só que ela quer ver mais fotos do MARCOS que no caso seria vc Bruno.
Resumindo, precisaria ver se vc poderia me mandar umas 2 fotos suas para eu poder mandar para ela, pois ela não para de insistir em querer ver mais uma foto do MARCOS.
Se puder me ajudar Bruno agradeceria, pois o tal do MARCOS esta mostrando quem realmente é a esposa qe eu tenho dentro de casa.

Obrigado e agradeço por vc ter me respondido o mail.

Abraço

Fabio - Paraná
obs: estarei no msn."

acho que vou tirar uma foto do meu cú e mandar pra ele.
25/07/2006 19:20:38
Por conta do achatamento da classe média, eu e meu irmão dividimos o mesmo quarto. Ontem, num daqueles momentos "vamos falar do nosso dia antes de dormir", eu contei pra ele que um cliente me perguntou se eu era brasileiro. Perguntei o porquê ao cliente e ele me respondeu que eu tinha um sotaque diferente (todo mundo fala isso!) e que pensava que eu era francês (??). Aí o meu irmão completa:
- ISSO TAMBÉM ACONTECEU COMIGO!! - empolgado.
e continuou:
- Esses dias um taxista também me perguntou se eu era estrangeiro porque tinha um sotaque estranho.
- e o que vc respondeu?! - perguntei.
- Que não, que eu tava BÊEEEELBADO, claro.
- Ah tá bom Alex vai dormir vai.. hahahaha
Tem coisas que voltam sem terem ido
e outras que vão e pra sempre ficam.

A saudade é uma coisa que vai e volta. Como esse meu amor por vc.

As coisas só nos fazem mal quando permitimos que isso aconteça.

Até quando vou permitir que vc ainda faça parte da minha vida?

domingo, junho 27, 2010

Dentre as coisas que eu não consigo suportar está a injustiça. Trabalho num bairro "nobre" de São Paulo (que expressão ridícula), onde sobra dinheiro e falta educação.

Essa semana, como de costume, durante a tarde fui até um supermercado que tem perto da agência para comprar umas coisas para comer (lê-se: porcarias). Escolhi uma barra de chocolate, um Danete, uma AnaMaria sabor baunilha e um desodorante spray.

Tenho mania de não pegar carrinho no supermercado e fiquei lá equilibrando tudo na mão. Na fila, à minha frente, estava uma mulher um pouco acima do peso, com uma calça de moleton com o elástico da cintura bem frouxo e com meio rêgo aparecendo. Até aí ok, cada um tem o seu estilo, mas, sinceramente, o conceito não era o dos melhores.

Tudo começou quando a mulher do caixa perguntou à cliente com cara de maluca: "Cartão mais?" e a louca, fora do peso, do elástico frouxo e rêgo aparecendo começou a dar um show de patadas na atendente: "Cartão mais? Não tenho essa merda e nem quero. Quero que vc passe rápido essas compras, vai! vai! vai!" E a caixa foi passando as compras da senhora da calça de moleton com um desespero sem igual.

E continuou xingando muito: "Peguei uma carne que tá pigando sangue, chame alguém AGORA pra limpar a sujeira que eu fiz, vai! vai!" e mais: "olha esses sacos plástico, rasgam com uma facilidade única..." e começou a rasgar com sacos plásticos. As pessoas na fila estavam todas de braços cruzados balançando a cabeça em sinal de desaprovação. Enfim, na hora de pagar ela terminou com a frase: "Pagar é o de menos, pagar, tsc tsc tsc..." e foi empacotando as compras depois de pagar com um American Express que nem Platinum era.

Na minha vez, a caixa me deu um sorriso, passou minhas compras, colocou o meu cpf na nota. Uma agilidade só. Em seguida ela disse ainda sorrindo: "Obrigado, volte sempre e tenha um bom dia!".

Foi então que, ainda com a louca do rêgo de fora empacotando e reclamando até do ar que tava respirando, falei para atendente: "Obrigado por ter sido super eficiente ao me atender. Espero que quem tenha um bom dia seja você, porque, para atender cliente sem noção de respeito, você vai precisar muito mais do que eu." - acho que me lembrei da época que eu trabalhava no banco e tinha que lidar com um monte de gente escrota.

É óbvio que a louca ouviu o que eu falei. Quando passei por ela, ouvi que ela falou alguma coisa no meu ouvido. Eu tinha escutado o que ela disse, mas mesmo assim gritei pra todo mundo que queria ouvir: "O QUE QUE VOCÊ FALOU?"

E aí, todo mundo do supermercado ficou paralisado assistindo o que estava rolando. As caixas que estavam passando o cartão pararam com o cartão na máquina, a velha que estava selecionando qual cebola ia pegar, ficou com a mão numa cebola e a criança que estava mexendo num doce, colocou ele na boca. Só um cara que continuou comendo as amostras grátis que uma promotora estava oferecendo.

Foi quando a doida varrida respondeu"com tom irônico e ar de cinismo: "EU TE CHAMEI DE LINDINHO, MEU AMOR..."

Eu podia dar um tapa na cara daquela maluca, mas preferi apenas falar: "É uma pena não poder te dizer o mesmo, a não ser claro, que você tivesse um mínimo de educação."

Abri meu chocolate, dei uma mordida nele enquanto media a mulher dos pés à cabeça e voltei em direção ao meu trabalho, tremendo de raiva. E a raiva que eu sentia não era nem por mim, mas por uma pessoa que estava apenas fazendo o seu trabalho e não precisava ouvir um monte de desaforo de gente mal educada.

Quando que as pessoas vão aprender que tudo que a gente dá, um dia a gente recebe? É tão óbvio isso!

Que hoje, vocês que acompanham meu blog, tenham um bom dia para que possamos ser tolerante com gente ignorante.


Bom dia pra vocês! =)

quarta-feira, junho 23, 2010

A droga está sempre ali na nossa frente. Cabe a nós mesmos escolhermos se vamos tomá-la ou não. Ela nos proporciona felicidade temporária, mas também depressão pós uso.

Apesar dos contras, a droga me viciou. Me viciou de tal forma que já achava normal essa roda gigante de sentimentos dentro de mim.

Coube a mim dizer não a algo que me fazia bem e me matava aos poucos. Estava quase tendo uma overdose.

Por outro lado, descobri que, assim como as drogas, existem pessoas que são só um santo remédio. E outras que, apesar de tudo, viraram pra mim uma droga.

Estou há semanas limpo. E nunca me senti tão bem!

Essa droga de amor ainda me mata.

terça-feira, junho 15, 2010

Quando estou garantido que a loucura tomou conta de mim, fecho os meus olhos para enxergar as coisas de uma outra forma. Percebo então que as soluções para os meus problemas estão todas dentro de mim.

O dia vai nascer e morrer todos os anos. E, por mais que eu já tenha conseguido me acostumar com essa ideia, acredito ainda que, diferente dos dias, a gente não nasça pra morrer.

Porém, mas só por hoje, igualmente a viver a vida, assistir ao nascer do sol não tem tido também lá muita graça.

Talvez porque eu ainda não atingi o ápice da loucura que me proporcionaria ver de olhos fechados.

Fechar os olhos pra tudo nem sempre é a solução.

sábado, junho 05, 2010

Preciso me dar uma chance.
Mas é bem difícil conviver comigo, mesmo pra mim.

Sou o dia todo me impondo limites,
testando meus sentimentos.

Me arrependo e não consigo me perdoar.
Me puno até não aguentar.

Saio por aí andando sem rumo,
Na esperança de um dia de novo encontrar alguém que me peça para sorrir.

Talvez, para que isso aconteça, o meu sorriso já tenha que estar estampado nesse meu rosto triste.

Essa vida é uma piada muito sem graça.
O sol nasce todos os dias da mesma forma para que possamos cometer os mesmos erros.

Dia desses acordei me sentindo esquisito: um vazio me preenchia por completo - sintomas de um amor próprio que fugiu num adeus com cara de até logo. E, contrariando as minhas conquistas, peguei um ônibus até a agência nova que estou trabalhando e amando.

No caminho, o ônibus foi enchendo, enchendo, foi lotando, lotando. O barulho da catraca me ensurdecia. A voz das pessoas eram só barulho. O ônibus começou a ficar pequeno e parecia que não cabia mais ali. O cheiro da poluição me sufocava. Estava eu passando mal? Com dor de cabeça? Com dor de barriga? Pensava que ia desmaiar. Não, não! Pensava que ia vomitar... Estava um frio de suar. Precisava dar o fora dali, alguma coisa ia acontecer.

Difícil foi sair entre as 2.000 pessoas que lotavam aquele ônibus. Levantei acreditando que não iria conseguir chegar até a porta de saída. Um pedido de licença pra cá, um empurrãozinho com um sorriso amarelo de boca seca pra lá. Duas mulheres começaram a discutir por eu estar querendo passar. Uma falava que a outra tinha um bafo tão forte que parecia que tinha comido um rato. A outra retrucava dizendo que pelo menos ela não tava vestida como uma puta.Uma troca de elogios bem digna. Eu cagando pras duas. Só queria sair o mais rápido possível daquela caixa de alfinete.

Só conseguia ver a boca das pessoas se movimentando, o som eu já não escutava. Pulei do ônibus num alivio único. O meu salto foi praticamente um duplo carpado de dar inveja a Daiane, mas infelizmente não tinha ninguém pra me dar uma nota. Por outro lado, uma das tiazinhas que brigava por mim no ônibus desceu junto comigo para colocar a mão na minha cabeça e começar a sessão do desencapetamento. Segundo ela, o que eu tinha era um encosto.

Uma vez por semana alguém tenta me converter. Não que eu veja maldade nisso, mas acredito que eu que tenho que ir atrás de alguma religião, não ela que tenha que aparecer no meu dia de fúria e tentar o desencapetamento.

Voltei ao normal em 10 minutos andando na rua e fazendo respiração cachorrinho em meio às madames de higienópolis com suas super roupas de academia dando volta no quarteirão.

Ter essa maldita síndrome do pânico me fez perder o medo do ridículo a ponto de eu pensar que talvez eu estivesse ficando louco. Enquanto eu tiver consciência que estou enloquecendo, acredito que anda esteja com a mente sã.

No dia seguinte o sol nasceu igual. Dessa vez, eu que estava diferente.
Sonho com vc todos os dias e, é exatamente por isso, que não tenho conseguido dormir.

domingo, maio 02, 2010

Todos os dias quando acordo, me olho no espelho e quase acredito que sou um bom ator. Preferia que muitas coisas fossem somente encenação.
Cansei.
Não quero mais o que eu não posso ter.
O problema é que quero muitas coisas simples e então pareço exigente.
Se eu tivesse apenas um desejo este seria: chega!
Não quero mais o que um dia eu pensei que eu tinha.

terça-feira, abril 13, 2010

Tem dias que, assim como hoje, explodo de felicidade.
Aí então me dou conta que a vida é muito curta para ser pequena.

domingo, abril 11, 2010

Às vezes eu penso que não adianta o esforço que eu faço para ser uma pessoa boa, pra não fazer nadade mal para alguém. Essa sensação de impotência, a de saber que nem tudo está sob o meu controle, acaba comigo.

Eu sei como deveria ser feito, mas é difícil colocar toda a teoria na prática.

Eu não posso controlar a maldade das pessoas, mas felizmente, posso me dar ao luxo de controlar quem vai e quem fica na minha vida.

A vcs que um dia foram e voltaram, a vcs que vem e vão e aqueles que nunca me deixaram um minuto sozinho, aqui está o meu agradecimento.

Talvez o meu esforço em ser uma pessoa boa não tenha adiantado.

Mas vou continuar tentando.

domingo, março 28, 2010

Quando estou feliz, distribuo a minha alegra pra todos os cantos. Fico um chato, reconheço.

Quando a situação se mostra contrária, estou prefirindo guardar a tristeza só pra mim, naquele lugar onde nem eu saiba onde tenha deixado.
Desde pequeno idealizo muitas coisas pra minha vida. O tempo vai passando e percebo que muitas delas já não acontecerão mais. Não que eu seja alguém que desista das minhas vontades, mas a vida me mostrou que muitas vezes mudar os planos é fundamental para conseguir seguir em frente a fim de poder sonhar coisas maiores.

Tenho tantos anseios agora dento da minha cabeça, quantos deles ainda terei que abandonar para continuar sonhando?

domingo, março 14, 2010

Era uma vez o tudo. Tudo vivia com o vazio. O vazio vivia com todos. Todos viviam com tudo. Mas tudo era vazio. E tão vazio eram todos

quarta-feira, março 10, 2010

Me olho no espelho e ainda tenho tanto de você em mim. Como eu posso avisar meu coração que você partiu pro mundo? Meu coração não entende, já tentei explicar nas noites de insônia quando meus pensamentos são só você.
Depois que te conheci, muita coisa mudou aqui dentro. E entendi que não quero ser outra pessoa senão eu mesmo, com uma cabeça que apenas eu entendo, e um coração que talvez não caiba meus medos, minhas dúvidas e meus pensamentos.
Pelos últimos 8 meses o seu silêncio ocupou no meu coração um espaço que eu tinha reservado para nós dois. E o que te digo é que por todos esses dias desses meses meu coração chegou a explodir enchendo meus olhos de lágrimas que pensei que nunca secariam.
Foi uma besteira acreditar que você poderia mudar. O tempo não muda ninguém. A situação e o destino mudam as pessoas. A decepção, talvez. Experiência própria. As mudanças, quando acontecem, são mudanças já acontecidas, e que apenas aguardavam o soar do alarme para serem acionadas. Esse alarme chamado sobrevivência, que mandou você endurecer seu coração.
Ninguém sabe até onde vai a sua resistência. Mas eu não resisto mais. E é por isso que eu digo pra você que eu desisto. Desisto de tentar ser feliz com você.
Não existe certo e errado nessa história. Existe uma enorme covardia de tentar, sabendo que poderá sofrer. E qual a graça da vida se tudo fosse só felicidade?
Descobri que a felicidade é desse jeito mesmo: escorre rápido. Ela te lava, te molha e te afoga nas lembranças dum passado que não volta mais.
Todas essas já são informações desnecessárias. Palavras bobas. Sempre gastas à toa.
Prometo pra você que, se algum dia, numa dessas voltas que a vida dá, você deixar de me amar, mesmo assim continuarei te amando. Não sou daqueles que esquece de quem contribuiu para eu ser quem sou.

Porém, a partir de hoje não se fala mais de você aqui.
Oi, tudo bom? Infelizmente, esta carta não é de quem você esperava. Mas, como eu sei direitinho como você se sente, talvez traga boas notícias.
Olha, desculpa minha sinceridade, mas a vida é muito curta para ficar aguardando pelos outros. Se quem você aguarda realmente se importasse com você, já teria dado algum sinal de vida. Parta para outra.
Já reparou numa certa pessoa que você conhece e tem uma quedinha por você? Não posso dizer quem é, mas pode ser alguém que trabalha do seu lado ou que mora perto da sua casa ou que frequenta um mesmo lugar. Sei que se trata de uma pessoa bem legal, vale a pena procurar saber quem é.
Fique de olho, tem um monte de gente reparando em suas qualidades. Aposto que, se você olhar em volta, neste instante, tem alguém olhando disfarçadamente para você. Pode não ser o seu tipo, mas já é uma dose de auto-estima, substância da qual você carece.
A verdade é que, enquanto você estiver assim, nessa interminável agonia, esperando notícias que nunca chegam, vai deixar passar várias possibilidades interessantes ao seu redor. Claro, ninguém se compara a quem você aguarda, mas quem você aguarda não está disponível no momento. Poderá, inclusive, nunca estar, apesar de tudo o que foi dito naquele dia. Pessoas que somem não são confiáveis.
E, mesmo que você tenha certeza absoluta de que não se trata de desprezo, que deve ter acontecido alguma coisa, que esse sumiço tem alguma explicação, não adianta nada você ficar aí esperando. Corroer-se de ansiedade não vai apressar a resolução do problema, seja ele qual for. Então, desencana.
Dá uma esquecida desse assunto, tenta focar as energias naquilo que depende da sua vontade. Caso seja necessário, para tirar de vez essa história da cabeça, mande você uma carta esculhambando e colocando um ponto final na questão.
O fato é que não dá para você continuar assim, desse jeito. Está todo mundo comentando.
Ninguém tem coragem de dizer isso para você, mas todos concordam comigo. Já chega.
Além do mais, se for para ser, será. Um dia, quando você menos espera, pinta um reencontro, sei lá. Mas até esse possível reencontro fica mais difícil se você não se abrir de novo para o lado inesperado da vida.
E, cá entre nós, se a pessoa que você aguarda é quem eu estou pensando, também não é nenhuma belezura assim. Você arruma coisa melhor.
Mande notícias, ficarei aguardando.
Eu ainda acredito na sorte de encontrar um grande amor na padaria, num domingo à noite.

domingo, março 07, 2010

Hoje fui num casamento de uma pessoa muito especial.
Quando participo de eventos como esse, alimento uma esperança de que o amor realmente existe e que a felicidade dos meus amigos me contagia.

Chorei bastante hoje,
chorei de felicidade.

Parabéns Lari!

quinta-feira, março 04, 2010

E se o mundo acabasse agora, nessa exata fraçao de segundo, o que vc faria?

Eu sairia correndo a sua procura, para te dar um último beijo, um último abraço e sentir mais uma vez o seu cheiro.


O meu mundo acabou.


É uma pena que não consegui encontrar vc...
Não sei o que é pior
um OI não respondido
ou um TCHAU não entendido.

domingo, fevereiro 21, 2010

As expectativas destroem tudo.

Estamos acostumados a sempre esperar mais de alguém, mais de alguma coisa.

Hoje em dia eu prefiro quando acontecem coisas que eu mesmo não estava esperando.

Esperar é tipo tomar sol, também cansa uma hora, né?

Talvez eu já tenha esperado demais.

quinta-feira, fevereiro 18, 2010

domingo, fevereiro 07, 2010

Surpresas na minha vida são uma constante.
Remeto-as sempre a coisas boas mesmo quando elas me surpeendem de forma negativa.
Tudo é aprendizado.
Eu só queria uma chance para mostrar que eu aprendi direitinho.

sábado, fevereiro 06, 2010

Quando a gente sempre ganha, chega uma hora em que a vitória perde a graça.

Com a tristeza e os outros sentimentos ruins isso tb não deveria ser inversamente proporcional?

sábado, janeiro 16, 2010

Uma vida sem aventuras é como uma comédia sem uma gargalhada: não faz sentido.

E essa semana, durante uma das minhas longas viagens do Morumbi, onde trabalho, até o Alto de Santana, onde resido, vi a morte de perto.

Saí tarde da agência, peguei a van do prédio e fui até o Shopping, como de costume. Lá, num ato totalmente impensado (que até agora eu não entendi porque eu fiz isso) peguei um microônibus que continha uma placa escrita: "Metrô Conceição".

Tenho essa mania imbecil. Quando estou sem carro, pego qualquer ônibus que vá até o metrô e teoricamente já finjo que sei onde estou. Na real, eu mal sei onde fica o metrô Conceição.

Enfim, uma sensação de alegria e alívio tomou conta do meu corpo ao perceber que o microônibus estava vazio. Isso durou cerca de 3 minutos e meio, pois no próximo ponto, uma obesa mórbida em cima das suas toneladas decidiu sentar-se ao meu lado ao invés de escolher qualquer um dos 37 lugares vagos. Tudo bem, calor humano.

Como se não fosse suficiente, o motorista acreditou que estavano Paris Dakar e começou a andar com aquela porra a 100km/h. Problema? Nenhum se as ruas de São Paulo estivessesem buracos, não tivessem faróis e nem tão pouco cruzamentos.

Segurei no puta que pariu do ônibus com uma mão e no meu escapulário com a outra. Virei religioso do nada, tava quase falando aramaico. Não sei o que mais me preocupava, a velocidade do ônibus ou a montanha de banha que estava do meu lado dormindo com a cabeça no meu ombro.

Cada vez que o ônibus passava por um buraco, a gorda-mórbida-devoradora-de-chocolates me esmagava mais e mais. Meu cérebro estava quase saindo pelo meu nariz e por pouco não pedi pra sentar em cima dela, que parecia ter um colo super confortable.

Eu só pensava: "quando isso acabar eu sei que vou dar muita risada, sei que vou..."

Nem preciso dizer que a mulher ficou do meu lado até o ponto final.

Nem preciso dizer que é óbvio que eu mandei um email pra sptrans reclamando do motorista do ônibus que quase matou todo mundo. Aquele assassino.

Nem preciso dizer que quando entrei no metrô me senti aliviado porque estava vazio. E é óbvio que uma gorda-maldita-com-mil-saoolas-na-mão sentou do meu lado e dormiu como um anjinho no meu ombro.

Acho que vou começar a pedir carona na rua.
Todas as noites esperava você dormir para que assim eu pudesse falar baixinho no seu ouvido o quanto amo você.
E ficava assim, falando e falando até o sono vencer a minha vontade de deixar bem claro o meu sentimento.

Quando eu acordava, tinha certeza que você tinha ouvido.
Havia pão de queijo, suco de laranja e o seu sorriso lindo de bom dia esperando eu abrir meus olhos.

Hoje eu acordei e fui na padaria. Comprei pão de queijo e suco de laranja.
Não foi a mesma coisa.

O sorriso lindo de bom dia era o que fazia daquilo um momento especial.
Perdi a fome.
O homem é a medida do mundo.
Eu uso essa frase para explicar umas 127 situações que me defronto diariamente.
Eu sou a minha medida.
E por isso, sempre achei que eu só poderia te conquistar com a frase perfeita.
Que eu só poderia alcançar teu coração tendo ideias.
E expondo-as de forma inteligente, bem-humorada e, quem sabe, um pouco sarcástica.
Durante muito tempo, fui o maluco das idéias.
Sempre tentando provocar sentimentos através da racionalidade.
Gritando meus achados pra muitos que nem sequer ouvidos tinham.
Pra um dia você me aparecer com a simplicidade que faltava na minha vida.
E mudar dezenas de conceitos em tempo recorde.
Você foi meio que um terremoto.
E eu simplesmente adorava essa nova cidade que se erguia.
Maior, mais forte, mais viva.
Porém, estou vendo tudo desmoronar.
Descobri que não sou autosuficiente e que não consigo reconstruir tudo sozinho.
Me ajuda?

domingo, janeiro 10, 2010

Essa vontade de ter você me consome. Ela me mata, me motiva, me incentiva, me contradiz. As lembranças a seu respeito estão embaralhadas junto com os meus conceitos de certo e errado e já não sei mais como ser racional.

Não controlo mais meus pensamentos e às vezes me paro pensando até onde eles irão me levar. Tenho plena consciência que a cada dia você está mais distante de mim, pro seu bem. Pro meu talvez.

Você me ensinou muitas coisas, será que agora você pode me ensinar a te esquecer?

A tristeza e a saudade são a minha inspiração.

Escrever talvez seja a melhor maneira de tirar você dos meus pensamentos. Preciso guardar as minhas lembranças em um outro lugar que não seja na minha mente. Assim, um dia e no futuro, poderei ler e recordar que alguém já me fez feliz.

Descobri que, por enquanto, a minha felicidade está no meu passado.

Passado composto por eu eu você.

sábado, janeiro 09, 2010

Por que razão passamos boa parte de nossas vidas perdendo tempo tentando estar em outro momento que não o atual? Desejar que o ano que chega seja um novo tempo? Que muitas esperanças sejam renovadas? Qual o motivo de adiar as coisas? De apenas sonhar? De deixar os planejamentos no papel?

Joguei tudo para cima nesse ano com a esperança da reconquista de novos objetivos por caminhos que ainda desconhecia. A trilha não está sendo nada fácil, mas acredito que as conquistas sao sempre maiores do que aquilo que renegamos para atingir nossos objetivos.

Nao quero mais esperar por um ano novo para nada. Nunca. Quero as coisas agora. Quero que nesse exato momento, aconteça algo especial. Quero que as minhas esperanças não sejam apenas renovadas, mas sim concretizadas. Que meus sonhos sejam reais e que os planejamentos sejam executados com muito sucesso. Desejo também que eu possa ter as companhias de sempre para juntos comemorarmos nossas conquistas.

Porque a vida é feita pra isso: criarmos motivos para que possamos sempre comemorar!

sábado, janeiro 02, 2010

Aquelas três palavras são ditas constantemente.
Mas parece que elas não são suficientes.