sábado, novembro 07, 2009

Hoje, num ato de (in)sanidade total, joguei fora tudo o que me lembrava você. Joguei fora o primeiro presente de dia dos namorados, que vc achou que não tinha sido suficiente pra mostrar o quanto gostava de mim.

Joguei fora aquela jaqueta linda que você me deu no meu aniversário, ela era a minha roupa preferida do meu armário. Depois disso, joguei no lixo aquele cachorrinho que a gente falava que era nosso filho, aquele que vc me deu num dia que eu estava doente, dizendo que ele tinha vindo pra cuidar de mim quando vc não estava comigo.

Mais tarde, joguei fora aquela caixa xadrez azul de presente que continha milhares de papéis, entre eles um (o último) que me prometia que seu amor por mim seria eterno.

Joguei fora também, aquela blusa cinza de capuz que todo mundo sempre dizia que eu estava bonito com ela, aquela blusa que um dia vc disse que era pra me deixar quentinho quando você não estava me abraçando no inverno. Joguei fora inclusive a embalagem onde estava embrulhada essa blusa, porém, fiz questão de não ler as palavras de amor que estavam grafadas nela.

Quebrei também os lindos óculos escuros que vc tinha me dado dizendo que era pra proteger os meus olhos puxadinhos cor de mel. Aí, eu picotei todos os cartões escritos por vc: um que continha EU TE AMO em todas as línguas, outro que dizia que se soubesse que me veria às 4h, desde às 3h vc já estaria feliz, e por último rasguei em mil pedaços o primeiro email que vc me enviou, aquele que dizia que eu tinha mudado a sua vida.

No momento, jogo pra fora todas as lágrimas que eu segurei enquanto vc me abraçava chorando na última vez que nos vimos.

Fiz isso, pra esquecer que um dia eu fui feliz. Pois, assim como só se conhece a felicidade por se conhecer a tristeza, a recíproca é totalmente verdadeira. É uma pena que não seja recíproca a vontade que eu tenho de ficar com você.

Apesar de fazer tudo pra te esquecer, a única coisa que não me desfiz foi do papelzinho com o número de seu telefone no dia que a gente se conheceu. Não me desfiz dele, pra lembrar que às vezes uma pequena coisa, seja ela um papel ou uma atitude, pode mudar tudo.

Espero até hoje o dia que tudo possa mudar e voltar a ser como antes.

2 comentários:

graziela disse...

gente... espero que um texto lindo como esse, mas triste, seja ficção.

Stephanie Sommerfeld disse...

*----------------*
Eu adorei, pena que é tão triste :D
*: adorei teu blog.