terça-feira, julho 21, 2009

Sigo aqui nesse meio de vida, meio sem rumo, meio sem nada. Meio fechado pra dentro de mim. Percebo que este é o momento em que há uma urgência no fazer das coisas e resolução de todos os problemas. O passado é ridículo quando penso no presente.

Fico impaciente quando percebo ocasiões perdidas. Porém, acredito que o errar é a oportunidade de começar de novo e fazer tudo diferente, vivendo outras experiências e amadurecendo cada vez mais. Não sou adepto do clichê "me arrependo só do que não fiz".

Eu me arrependo de um monte de coisa feita, incluindo momentos em que eu podia ter ter gritado mais alto pra não ter que engolir minhas palavras e aumentar a dor que eu tenho aqui dentro.

Se arrepender de algo que fez é o primeiro passo para aprender a ser algo melhor. Compito com meu eu de ontem e a minha autocrítica é a minha arma secreta.

E é assim que estou tentando ser, diferente nesses dias que parecem nascer sempre da mesma forma.

Pobres são aqueles em que na vida tudo dá certo.

2 comentários:

Bé disse...

Você é foda! Te amo e tô morrendo de saudade!

Eugênio Euclides disse...

aqui se escreve um testamento, bruno.
aqui se faz, aqui se paga.
aqui se nega o juramento
aqui se nasce aqui se mata
só pulsar e sangrar.
não sabemos mais nada.
nem sei se quero.