quarta-feira, abril 15, 2009

Tardei a perceber que o mais legal da vida consiste na aventura de analisar os próprios atos e sentimentos. Às vezes brigo comigo mesmo nessa inconstante busca pelo perfeccionismo; outras me parabenizo, me beijo e durmo abraçado comigo mesmo na felicidade em sua totalidade.
As pessoas são sentimentos. Chegam do nada, vão sem que eu sinta falta. É paixão que apaga, é dor que se anestesia, é felicidade que se explode e some. Tudo tem seu ápice e declínio.
A saudade não. A saudade é um sentimento que não se apaga, que não se anestesia, que não se acaba. Ela é o único sentimeno que sempre cresce cada dia mais, infinitamente: assim como o que eu sinto por você!

Um comentário:

Cani disse...

Gente, como escorpiana legítima me deu um medinho...
A saudade só aumenta quando a gente gosta daquilo ou quem que provoca tal sentimento. Se não, ela vai apagando com o tempo, assim como as razões dela existir. Ou não?