domingo, março 15, 2009

É uma delícia trabalhar fora dessa província que é a Zona Norte de São Paulo. Porém, trabalhar na Faria Lima também tem seu lado ruim.

Eu juro que procurei por toda a região algum estacionamento que fosse compatível com o meu reduzido orçamento. No mês passado até consegui uma vaga por R$150 mas, depois de umas duas semanas, o dono do estacionamento disse que o preço iria subir para R$200.

Ok, lá vou eu procurar outro estacionamento. Acabei parando o meu carro por R$200 mesmo numa mansão abandonada e invadida. Há a vantagem dos outros "colaboradores" da agência também pararem lá e isso me dá um pouco mais de segurança no caso de uma ação conjunta contra qualquer coisa que o estacionamento possa me causar.

Dia desses, dei seta para sair do estacionamento/mansão-invadida e acelerei o carro para entrar na pista completamente congestionada. Nisso, um carro prata veio acelerando de propósito para eu não entrar na frente dele. Detalhe: o trânsito estava completamente parado, não iria fazer diferença nenhuma para o carro apressadinho deixar eu passar. Entrei mesmo assim, pois daria tempo para entrar na pista.

O motorista do carro prata começou a buzinar freneticamente (parecia um frito numa rave com uma daquelas buzinas chatas) e, não contente, parou o carro do meu lado e começou a me xingar.

Eram duas meninas do surf (em São Paulo), com óculos na cabeça e uma delas - a do lado do passageiro - estava com os pés imundos e descalços no painel do carro, aquela coisa bem high society.

Eu estava de camisa e óculos escuros. Meu carro não possui insulfilm. E eu juro que demorei alguns segundos para perceber o que estava acontecendo.

As meninas param o carro do meu lado e começaram:
- Sua bicha louca, sai do armário!!! Pinto pequeno!!! Bla bla blá ...

Tentei abstrair, juro. Tinha tido um dia super feliz com direito a elogio da chefe e não ia deixar duas meninas do surf (em São Paulo), com os pés imundos no painel estragarem o momento feliz que tinha vivido há pouco.

Metros depois as minas pararam de novo o carro e insistiram em me xingar:
- Pinto pequeno! Pinto Pequeno!
Eram gritos de raiva, de ódio (coitadas!), de mulheres que não dão a bunda há muito tempo!

Abstraí. Devem ser umas vagabundas que só conseguem sentir prazer com uma jeba de um jumento de 40 cm, pensei. Será que mostro a minha pica dura pra elas? Desnecessário.

Foi quando elas, não contentes e felizes por só apenas me xingar, começaram a jogar o carro delas pra cima do meu. Tudo bem que meu carro está batido na frente e está tão quadrado que parece um uno, mas isso já era demais.

Num momento de total descontrole meu - arrependimento, juro! - procurei algo no meu carro que eu pudesse jogar no carro delas só pra dar um sustinho. O azar delas foi que eu estava com dor de garganta e a única coisa que eu vi na minha frente foi um vidro de própolis. Arremesei ele mesmo. E na cara das duas.

- VC É LOUCO?????? VC É LOUCOOOOOOO???? - foram as últimas palavras que eu ouvi daquelas que levaram uma propolizada no nariz, enquanto eu fechava o vidro do meu carro e ligava o ar condicionado.

Coloquei um CD da Enya e continuei meu dia feliz num trânsito de 2 horas até chegar em casa.

Ps: Eu duvido que elas teriam feito isso com uns manos ouvindo Racionais MC no último volume num carro vinho todo filmado.
Ps: Acho que agora elas entenderam o verdadeiro significado da teoria da Acção - Reação.

3 comentários:

Xica Da Silva disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkk.. isso ai.


mas vem cá... o pinto é pequeno mesmo?? rs

Marie disse...

Huahua! to aki imaginando a cena. Sem dúvida elas fizeram por merecer! e no final de tudo, nada que Enya não resolva e faça voltar ao estado de "feliz da vida pq o dia foi bom"...

Anônimo disse...

Pelo que eu vi toda essa cena era para voce parar o carro e tirar satisfação. Ou elas queriam te dar algum golpe ou então era teu dia de sorte.