sábado, março 03, 2007

Arrogante. Maldita mania que as pessoas têm de pensar que sou arrogante. Vc me conhece por acaso? Provavelmente não. Arrogante pros leigos é um julgamente escroto de quando não se conhece alguém. É difícil fazer um elogio a um desconhecido, é mais fácil impor um rótulo negativo. Vc por acaso já viu alguém ser elogiado por outra pessoa que não conhece?

Sou cheio deles, os rótulos. Tem gente que pensa que eu sou mimado. Outros me taxam de playboy. Alguns ainda arriscam que eu sou super legal.
Tolos.
Ninguém realmente sabe o que eu sou. Ninguém realmente sabe o que eu passei pra ser quem sou.

Se pareço arrogante pra vc é pelo simples fato de não sair distribuindo sorrisos por aí. Meus sorrisos são contados, não são pra qualquer um. Não me incomodo de não conhecer novas pessoas, as pessoas mais interessantes eu já conheço.

Eu sou um chato e isso é um fato. Deve ser por isso que estou sempre sozinho, que nunca encontrei alguém. Quem, em plena sanidade, seria capaz de agüentar o meu gênio insuportável? Nem eu às vezes me agüento. E choro por todas as oportunidades que eu poderia ter me calado.

Quando eu souber que estarei prestes a morrer, queimarei tudo o que for meu. Todas as minhas fotos, todas as minhas cartas, deletarei todos os meus emails. Não quero rastros da minha vida pras pessoas continuarem me julgando. Não quero que achem que eu era uma pessoa bacana. Não quero que pensem que fui uma pessoa sem valores. Simplesmente não quero que pensem nada a meu respeito. Quero só que me esqueçam.

O maior erro do ser humano está em julgar sem conhecer.

A minha vida me fez assim, arrogante. Pra vc, eu sou arrogante. Pros meus amigos eu sou uma ótima companhia. Entre acreditar num comentário sem dono e ouvir meus amigos, desculpe. Prefiro acreditar em quem realmente me conhece.

Acabei de chegar da Pacha. Estou com uma ressaca financeira IMENSA.

sexta-feira, março 02, 2007

As grandes chuvas que rodeiam São Paulo no verão detonaram os meus sapatos que comprei na Renner por R$30,00. Eles não eram "OS MELHORES SAPATOS", mas eram os únicos que eu podia comprar na minha atual situação financeira de classe média falida.

Os sapatos estavam tão podres, mas TÃO PODRES, que quando eu pisava numa poça de água era como se eu estivesse descalço, pois havia um furo em cada sola. Era um ar condicionado desnecessário que me causava vergonha toda vez que precisava levantar os meus pés, como quando cruzava as pernas. Em função disso, não havia terremoto que me fizesse tirar os pés do chão.

Movido pela tristeza e desapego material, peguei um dos meus dias de férias (no caso hoje) para comprar sapatos novos.

Eu juro que tentei andar pelas lojas mais baratas do centro de Santana, mas foi impossível comprar algo do meu gosto requintado. Foi aí que, antes de chegar na faculdade, decidi passar no Shopping Higienópolis pra gastar todo o dinheiro que eu pensei que ganharia nesse mês. Adoro aquele shopping, gosto das poses que as pessoas fazem ao olhar as vitrines e da falsidade/interpretação dos vendedores que, para poder sobreviver, fazem cara de normalidade ao informar o valor de uma meia de R$200,00.

Andando a tarde toda por lá, é óbvio que eu achei os meus sapatos ideais. É óbvio que eles eram caros demais. É obvio que eu comprei. Paguei caro mesmo e quero que se foda. Se meu sapato descosturar um pouquinho que for eu volto na loja e mando eles trocarem. Se ele sujar um pouquinho, eu volto lá e mando eles lavarem. Quero garantia eterna. Odeio gastar dinheiro com coisas que eu não gosto e eu não gosto de usar sapatos.

Sapatos são uma forma de formalizar os pés, essas coisas tão informais. Imagine se todos nós andássemos descalços? Adoraria trabalhar de chinelos. Camisa, calça social e chinelos. Acho pés feios, os de todo mundo, inclusive o meu. Não entendo como as pessoas conseguem ter taras por pés. Os pés são as partes mais sujas do nosso corpo, depois do cú, claro!

Se eu fosse escolher uma parte do corpo, eu escolheria os olhos. Eu prefiro mesmo os olhos, mesmo os castanhos. Os olhos têm sentimento e têm profundidade. É possível conversar apenas por olhares.

Acho que é por isso que prefiro comprar óculos de sol.

segunda-feira, fevereiro 26, 2007

"Nos últimos meses, queimei muito os meus neurônios, visitei muitas lojas, ouvi muitos vendedores, buscando a melhor maneira de te presentear.
Nada era interessante.
Nada era suficiente.
Nada era bom o bastante.
Movido pelo desejo de mais uma vez ver seu lindo sorriso que tanto admirei por tão pouco tempo, fui.
Que ironia!
De todas as idéias que tive, de tudo que imaginei, a surpresa me atingiu em cheio.
Hoje, nesta data tão especial, te presenteio com minha ausência.
Feliz Aniversário!"
Quando te mandei uma mensagem dizendo que estava indo pra perto de ti, pensei que fosse te arrancar um sorriso (eu e meus pensamentos..). Era tudo o que eu queria, um sorriso teu. Mas esqueci de uma coisa importantíssima: era Carnaval. E no Carnaval tudo muda, ou melhor, todos mudam. O meu maior erro foi acreditar que tuas doces palavras fossem se tornar atitudes e que as noites mal dormidas pensando em ti fossem se tornar dias de sol ao seu lado. Eu e minha imaginação. Eu e minhas expectativas. Eu e minhas decepções. Agora, sou obrigado a apagar da minha memória tudo aquilo que não aconteceu, todos os beijos que não demos na praia, todos os vinhos que não nos embreagaram e todos os entardeceres que não passamos juntos. E assim acaba a nossa história. A nossa história não, o seu capítulo. Vc poderia ter sido único, mas fez questão de ser mais um.

Próximo!