sábado, maio 19, 2007

Era uma quinta-feira e eu estava super atrapalhado. Sou atrapalhado no meu dia-a-dia, mas tento ser perfeccionsita ao extremo no meu trabalho. Uma senhora de uns 60 e poucos anos, cliente minha, estava desesperada por um empréstimo. Rodei as avaliações necessárias e a informei que no dia seguinte o dinheiro estaria disponível em sua conta.

Passado o dia, a mulher me aparece cuspindo fogo. Ela praticamente queimava meus cílios a cada palavra jogada na minha cara. Ela rodou a baiana, a pernambuca e a pomba-gira. O dinheiro não estava na conta dessa maldita.

Entre as minhas maiores e mais prezadas qualidades está a honestidade. Prezo muito a sinceridade das pessoas e não vejo motivos pra sair engando meio mundo por aí. Como sou ingênuo. Eu juro que eu deveria ter falado pra essa filha da puta que ocorreu um problema de sistema no banco (como todo e qualquer idiota bancário faria). Porém, eu quis fazer o bom samaritano e me fudi. Disse pra essa vaca que eu, por estar sobrecarregado de trabalho, digitei algo errado na impressão do contrato de empréstimo e, conseqüentemente, o dinheiro dela só cairia dali uma semana.

Eu nunca faço nada errado, sempre tento fazer tudo certinho. Fico puto quando tenho que admitir que eu falhei. Mas penso que isto é o correto, que isto é o justo. Nem todo mundo pensa como eu.

Disse a ela que o dinheiro só sairia na quinta-feira e não haveria outra maneira de resolvermos o problema a não ser esperar. Ela foi no banco na segunda, na terça e ligou quarta-feira o dia todo. Como se não bastasse tudo isso, a vagabunda ainda me aparece na quarta-feira num momento de stress meu.

Eu sou uma pessoa super calma, super tolerante e sou super bonzinho (como o próprio nome do blog já indica - aham) e no ápice da minha raiva essa mulher veio discutir comigo. Veio dizer uma pá de bosta e eu, instintivamente, comecei a gritar com ela como se fosse uma vizinha qualquer dizendo mais uma vez que não teria como resolver o problema até amanhã.

Manhã seguinte, a minha chefe me chama. A filha da puta da velha esclerosada e descontrolada tinha feito uma reclamação na ouvidoria do banco.

"Ele grita com as pessoas e trata as pessoas de baixa renda super mal..."

Foram as únicas coisas que eu lembro de ler até me emputecer de vez. Eu NUNCA na minha vida destrataria alguém por ela ter menos dinheiro e acho preconceito, seja ele de qualquer forma, o pior defeito que uma pessoa pode ter.

Eu poderia ter feito um milhão de coisas contra ela. Ligado e xingado, riscado o carro, jogado um saco de merda na porta da casa dessa maluca ou até mesmo passar o telefone dela em sala de bate-papo SEXO SELVAGEM por aí. Mas não, dessa vez, ninguém iria estragar a minha felicidade.

Sabe o que eu fiz?

No dia seguinte, passei num supermercado perto do banco e comprei um vaso de flores. Escolhi as mais bonitas, porém as MAIS BARATAS e levei pro meu trabalho. 11h da manhã a mulher senta à minha mesa pra pegar o seu dinheiro. Enquano ela assinava o novo contrato com a cara amarrada, pedi licença e fui pegar as flores. Voltei com um sorriso no rosto, fingindo não saber que ela tinha feito a reclamação e disse:
- Dona Izabel, essas flores são pra senhora. Me preocupei em comprá-las como forma de me desculpar com a senhora pela demora do dinheiro e por talvez a senhora ter pensado que eu tomei atitudes grotescas. Essas são flores da fortuna, pra senhora ganhar bastante dinheiro e NÃO PRECISAR VOLTAR NUNCA MAIS NO BANCO (contém ironia).

A mulher ficou SUPER sem graça e com cara de arrependimento. Disse que não precisava, que erros aconteciam e que iria colocar as flores ao lado do santinho num altar que ela tinha na sala, entre outras baboseiras que eu fingi escutar.

Ela saiu com lágrimas nos olhos, de felicidade.

E eu fiquei com um sorriso na boca, de VINGANÇA!

Às vezes eu adoro meu trabalho.

4 comentários:

Anônimo disse...

adorei!!!! soll http://criandoespacos.blospot.com

Gabi disse...

Ai, que lindo, que lindo, que lindo..... TE ACHEI!!!!
Eu sempre lia seus escritos quando você ainda estava lá no blig, mas depois te perdi... e agora, eis que o reencontro e tô TÃO feliz, adoro o que você escreve!! Posso te linkar ao meu Lj? Posso??
Um beijo!

Anônimo disse...

Eu não sei como voce suporta trabalhar num lugar desses. A CEF é tão atraente para esse tipo de gente ignorante, mulambenta, sem educação e semi-analfabetas quanto uma bela bosta de rottweiller é para varejeiras.
O nivel de cortisol no seu sangue deve estar altíssimo, se eu fosse vc me mandava daí antes que começasse pipocar tumores pelo corpo.
Voce ja vai para o 3º sem de PP, oportunidades para trabalhar na area não falta, voce só sofre nesse banco porque quer.

Elisa disse...

Adorei!!! Hehe, sei mto bem como eh trabalhar com clientes sem educação!!