domingo, março 18, 2007

Sexta-feira. Dia chuvoso, ressaca pós-bar pra comemorar a volta da Vivi. Fingindo naturalidade olhando pra tela do computador sem fazer nada. Praticamente hipnotizado. Um cliente aparece na minha frente, que saco! Uns 50 e poucos anos, mas em forma. Camiseta polo azul, bermuda cáqui, bigode grisalho, careca. Vestia-se como se tivesse dinheiro.

Pra quem trabalha num banco, R$100.000,00 não é muito. Pra mim é. Pra mim, como bancário, não. O cara sentou na minha mesa pra reclamar sobre algum desconto (que não existia) na aplicação financeira dele de R$100.000,00. Primeiro ele começou dizendo que todo bancário era filho da puta e que escolhia as piores aplicações para os clientes de maneira que o banco lucrasse ainda mais. Ele não usou exatamente essas palavras, mas foi isso que ele quis dizer.

Um raio caiu e fez um puta barulhão.

- Tomara que chova bastante, que chova muito mesmo!
- Mas pra que chover muito? - perguntei indignado.

Foi quando eu ouvi a coisa mais imbecil que alguém já me disse durante toda a minha vida:
- Pra acabar com as favelas. Sabe, o pobre é o problema desse país! Eu odeio pobre, pobre é uma merda.

COMO ASSIM POBRE É UMA MERDA? COMO ASSIM O POBRE É O PROBLEMA DO PAÍS? O problema do país se resume em haver "cidadãos" do naipe desse cara. Como alguém pode ser cruel a esse ponto pra falar uma coisa dessas? Eu nunca fiquei tão surpreso com algo que alguém tivesse falado pra mim. Será que ele realmente acha que a solução dos problemas do nosso país está na chuva que alaga a casa de todo mundo, que mata pessoas como ele, que destrói as favelas?

A minha vontade era pegar toda a aplicação do cara e distribuir em prol dos desabrigados por conta das chuvas de São Paulo. A minha vontade era levar ele até uma favela pra ver que há muita gente do bem morando lá e que se esforça no trabalho pra poder comprar coisa pra comer. Será que as pessoas moram na favela porque querem? Existe ladrão na favela, claro, como existem também ladrões que moram no Jardim Europa. E o que é pior, um ladrão que rouba por necessidade, ou um que rouba de toda a população por má índole mesmo? Na verdade, a minha maior vontade era cuspir na cara do homem, mas pela 1a vez na minha vida eu não consegui falar nada.

A minha cara de decepção dizia tudo.

2 comentários:

Anônimo disse...

Nossssa, sem comentarios! Esse cara deve ser um merda q acabou de arranjar 100 contos de uma maneira duvidosíssima... agora fica pagando de magnata. Grande bosta!

Anônimo disse...

Bruno, ouça a música "desse fruto" do Edvaldo Santana. abraço.